notícias / Cultura

Luíz de Castro, mais de 2.000 músicas

Viola Show l Fonte: Viola Caipira 20/08/2013 11h08

“O sertão é do tamanho do mundo”, diz Riobaldo em Grande Sertão: Veredas, a obra-prima de Guimarães Rosa.   Mas, é o mesmo personagem, no mesmo livro, quem diz: “O Sertão é sozinho”, “O sertão nunca dá notícia”, e “O sertão é sem lugar”.   E foi nesse sertão imenso e solitário,  mágico, misterioso, vivo, que Luís de Castro (Campo do Meio, MG, 1936) cresceu ouvindo suas lendas, seus poetas, seus cantadores.

É natural que, jovem de talento e vivendo numa terra tão musical, compusesse sua primeira música ainda adolescente: Somente tu, que seria gravada por José Orlando, em 1960, se tornaria grande sucesso e seria regravada por Cascatinha e Inhana que lhe deu a forma definitiva.

Em 1965, Luís de Castro grava, pela RCA, Meu pedacinho de chão, de onde se destacariam A noite de nós dois  e  Último trago, ambas de sua autoria. 

Em 1973 começa a trabalhar como radialista, na Rádio Clube de Varginha, onde permanece até 1975.

Em 1976 vai para a Rádio Jornal Sul de Minas, em Bueno Brandão, onde fica até 1978 indo, no ano seguinte, para a Rádio Clube de Pouso Alegre onde apresenta o programa Domingão Sertanejo.

Ainda nessa mesma década formou dupla com Tupi e gravou o LP Pedacinho de Chão, com alguns de seus sucessos.  E, bem humorado, gravou em 1995 um CD com músicas cômicas de sua autoria.

Como compositor, tem músicas gravadas por Tonico e Tinoco, Cascatinha e Inhana, Lourenço e Lourival, Pedro Bento e Zé da Estrada, Belmonte e Amaraí, Sérgio Reis, Chitãozinho e Xororó, Milionário e José Rico, Daniel, Trio Parada Dura,  entre muitos outros. 

Teve diversos parceiros, entre eles o mitológico Tião Carreiro com o qual criaria Lá onde eu moro,  Quando cai a chuva,  Aquela ingrata, etc.,  que foram gravadas por Tião Carreiro e Pardinho.

Aos 73 anos este pousoalegrense de coração não deixou de compor em sua vida até o reconhecimento como um dos maiores compositores do país, o segundo em número de canções sertanejas gravadas não foi fácil. 

Por isso é hoje um dos maiores incentivadores de novos talentos, revelando compositores e cantores que através dele despontaram em uma carreira de sucesso. 

Compositor fértil, tem mais de 2000 composições,  sozinho ou em parceria, muitas delas dignas de figurar nas melhores antologias de nossa música popular. Vamos citar apenas algumas:

Jamais terei ilusão,  Tu sempre tu  e  Somente tu, gravadas por Cascatinha e Inhana. Sofá velho e Jardim da natureza, gravadas por Lourenço e Lourival. Galopeira,  Alma aventureira,  Cantinho do coração e Obrigado coração, gravadas por Caçula e Marinheiro. 

É ou não é uma obra vasta a deste mineiro que nasceu entre montanhas, cresceu no sertão e nos legou um pedaço do espírito desta Minas de artistas particulares e universais que buscam as raízes de sua terra para melhor compreendê-la.