notícias / Cultura

Inezita, documentário sobre a dama da música de raiz, tem pré-estreia nacional no Itaú Cultural

Viola Show I Fonte: Cultura 21/02/2019 14h51

Inezita, documentário sobre a dama da música de raiz,  tem pré-estreia nacional no Itaú Cultural

Inezita, documentário sobre a dama da música de raiz, tem pré-estreia nacional no Itaú Cultural

O Itaú Cultural dá início à programação de cinema às terças-feiras, neste ano, com a pré-estreia do documentário Inezita, realizado em 2018 pela equipe da TV Cultura, em parceria com o instituto, sob a direção do jornalista e diretor do Metrópolis, Helio Goldsztejn, e roteiro de Fabio Brandi Torres. O filme homenageia a dama da música de raiz, Ignez Magdalena Aranha de Lima, Inezita Barroso (1925-2015), e será exibido na Sala Itaú Cultural, no dia 26, às 19h. Um mês depois, dia 28 de março, entra em cartaz na rede do Espaço Itaú de Cinema, em São Paulo, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e Rio de Janeiro, além de outras redes de cinemas.

A parceria entre a TV Cultura e o Itaú Cultural foi iniciada na sequência da Ocupação Inezita, realizada pelo instituto em 2017, e teve a sua primeira e, até agora, única exibição na 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (MIC). O filme apresenta a história desta cantora, que desafiou família, preconceitos, a própria época em que começou a carreira e até o universo de um gênero musical. Inezita venceu várias batalhas ao longo da vida. Sempre carregou a bandeira da preservação da música de raiz e abriu caminho para que outras mulheres também pudessem cantar e tocar viola. Se hoje a presença feminina é cada vez maior na música caipira, muito deste mérito se deve a ela.

Ela somou mais de 60 anos de carreira, quase 35 deles à frente do Viola, Minha Viola, programa que se tornou espaço único de defesa da música caipira. Como apresentadora, Inezita comprou várias brigas por admitir apenas a presença de artistas que procuravam manter a tradição do gênero musical que abraçou. Não admitia, por exemplo, baterias e teclados no palco da atração.

À sua jornada na televisão e às apresentações musicais como cantora, Inezita Barroso somou outras atividades: foi atriz de cinema - tendo ganhado o Prêmio Saci de Melhor Atriz de 1955, dirigida por Alberto Cavalcanti -, pesquisadora, folclorista, radialista e professora universitária. Poucos sabem, mas em sua trajetória de cantoria, ela não foi motivada somente pela música caipira, mas também pelo samba. Para Paulo Vanzolini, foi a melhor intérprete do gênero no país.

Participaram do documentário com depoimentos sobre Inezita as atrizes Ruth de Souza, Nicette Bruno e Eva Wilma, o ator Ary Toledo, o violeiro Paulo Freire, que foi o curador da Ocupação Inezita Barroso, o musicólogo e jornalista Zuza Homem de Mello, o jornalista José Hamilton Ribeiro e os cantores Mary e Marilene Galvão, Renato Teixeira e Roberta Miranda.

Sobre Helio Goldsztejn

Jornalista, formou-se na Faculdade Cásper Líbero em 1973. Trabalhou como repórter na televisão e, desde 1993, dirige o programa Metrópolis, da TV Cultura. Estreou na direção de documentários com Theatro Municipal - 100 Anos de Arte (2011). Também comandou filmes documentais para o cinema e a televisão, como Tomie Ohtake (2015) e Lygia, Uma Escritora Brasileira (2017).

Sobre o Itaú Cultural

O Itaú Cultural é um instituto voltado para a pesquisa e a produção de conteúdo e para o mapeamento, o incentivo e a difusão de manifestações artístico-intelectuais. Dessa maneira, contribui para a valorização da cultura de uma sociedade tão complexa e heterogênea como a brasileira.

Ao considerar a cultura uma ferramenta essencial à construção da identidade do país e um meio eficaz na promoção da cidadania, desde 1987, quando foi aberto, o instituto busca democratizar e promover a participação social. Programas como o edital Rumos, de fomento à produção cultural, reafirmam a sua missão e o seu propósito e o colocam entre os mais importantes institutos culturais do país.

A instituição tem como missão inspirar e ser inspirado pela sensibilidade e pela criatividade das pessoas para gerar experiências transformadoras no mundo da arte e da cultura brasileiras. Inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas, é o seu propósito que se baseia em sete princípios básicos: estimular a participação cultural e artística das pessoas, democratizar o acesso à arte e à cultura, reconhecer e apoiar a constituição de memória da arte e da cultura brasileiras, fomentar manifestações culturais e artísticas, incentivar a experimentação e novas possibilidades artísticas, apoiar artistas e pesquisadores das diversas linguagens e articular políticas de interesse público a partir dos direitos culturais.

Sobre a TV Cultura

Atual, atrativa, crítica e democrática, a TV Cultura é um modelo de emissora pública brasileira. Com programação reconhecida e voltada a diversos públicos e faixas etárias, destaca-se no cenário nacional pelo conteúdo, dedicado ao desenvolvimento do cidadão. Próxima de completar 50 anos, a emissora soma mais de 400 prêmios nacionais e internacionais, incluindo quatro Emmy Awards e mais de 10 troféus Prix Jeunesse. Além disso, é tida como a segunda melhor emissora do mundo em qualidade de programação, de acordo com pesquisa encomendada pela BBC. Entre outros destaques, é lembrada por público e crítica por suas produções musicais, infantis, culturais e jornalísticas.

Ficha Técnica de Inezita:

Realização: TV CULTURA

Direção: Helio Goldsztejn

Roteiro: Fabio Brandi Torres

Produção Executiva: Eneida Barbosa

Edição e Finalização: Solano Marreiros

Sonoplastia: José Antonio Lippo

Imagens: José Elias da Silva

Duração: 85 minutos


Ressaltando que em 2017 Matheus Calil e Viola Show ganharam o prêmio Inezita Barroso  (Cultura Caipira de Raiz)